A melhor lição de todas – Parte 1

A melhor lição de todas – Parte 1

O valor de todo o programa DeMolay pode ser resumido em uma palavra: RELACIONAMENTOS. É o relacionamento que os jovens construíram com seus pares, seus mentores, seus conselheiros e suas famílias que são o legado duradouro da Ordem DeMolay. E esses relacionamentos são mais bem ilustrados por esse episódio nunca antes contado na vida de Louis Lower e Frank S. Land, a centelha e a chama que iluminou o caminho para milhões de relacionamentos desenvolvidos por jovens que seguiram seu exemplo.

Nós que lemos o “Hi, Dad!” – A História do “Tio” Frank S. Land e a Ordem DeMolay do Rev. Herbert E. Duncan, pensamos em tio Land e Louis Lower como amigos inseparáveis, a orientação perfeita, o relacionamento ideal entre pai e filho.

Mas nosso senso de realidade sugere que o ideal raramente existe e nunca dura. O DeMolay International divulgou em razão da comemoração do centenário da Ordem DeMolay, cartas inéditas entre tio Land e Louis Lower, e através delas, vocês terão uma melhor compreensão do verdadeiro poder da Ordem DeMolay.

Sabemos que depois que Louis Lower conseguiu seu primeiro emprego com Frank S. Land no Gabinete de Serviços Sociais do Rito Escocês. Ele continuou a trabalhar com Land durante a formação do Grande Conselho e sua equipe profissional. Como o primeiro DeMolay, Louis estava frequentemente na estrada falando e promovendo a Ordem. Ele se tornou o primeiro Presidente do Capítulo Internacional da DeMolay Alumni e foi encarregado de torná-lo um sucesso. Em 1927, aos 25 anos, ele assumiu o Departamento de Campo do Roy Dickerson que estava adoentado, e estava trabalhando para o Grande Conselho no desenvolvimento de um novos Capítulos.

Sabemos por esta curta carta que em 1932 Louis estava em Wichita Falls, Texas, trabalhando com o capítulo Hope.

Ele fazia parte da equipe avançada para garantir que os meninos estivessem prontos para executar o ritual durante a recepção do fundador da Ordem. Isso nos diz algo sobre as expectativas de tio Land e os desejos dos capítulos em realizar um bom trabalho para ele.

Querido Tio. Nós tivemos muitos ensaios com os garotos e você não deve temer a habilidade deles em conferir os graus de uma maneira impressionante.

Parece que tudo foi cuidado plos irmãos Ellis e Simmons para ficar perfeito e eu não vejo nada que possa impedir uma reunião perfeita na quarta-feira a noite.

Ansioso para te ver na próxima quarta-feira e com todos os melhores votos, eu sou, como sempre: Louie

Em 1933, como resultado da Grande Depressão, tio Land teve que demitir 18 dos 22 funcionários do Grande Conselho. Apenas Land, Stratton Brooks, Charlie Boyce e Louis Lower permaneceram na equipe, e provavelmente com salários reduzidos.

Tudo isso mostra que Louis era um dos amigos mais confiáveis ​​e valiosos de tio Land. Havia apenas 12 anos de diferença entre eles, mas Louis sabia que Frank Land era mais do que apenas um conselheiro, mais do que apenas uma figura paterna – ele era, talvez, seu amigo mais próximo e maior campeão.

A próxima correspondência que temos é uma carta de três páginas escrita em março de 1936, em caligrafia longa, de Louis para tio Land, que diz, em parte:

“Parece que alguém está espalhando uma história de que tivemos algum tipo de ‘desentendimento’ e que não éramos mais amigos. Buck me deu os nomes de dois dos Consultores que haviam ouvido a história. Eu prontamente escrevi a ambos que não havia nenhuma verdade em tal história e, com certeza, era fruto da imaginação de alguém. “Meu único propósito ao mencionar o incidente nesta carta é dizer a você o que você deveria saber, isto é, que embora você e eu não tenhamos sempre concordado em certas idéias, nunca deve haver qualquer dúvida sobre minha lealdade a você , pessoalmente. Eu seria realmente um ingrato se algum dia me voltasse contra você como o melhor amigo que já tive. Eu não esqueci e nunca esquecerei o que você fez por mim. Não posso retribuir e tenho certeza de que você não deseja outra compensação senão sentir que o que acabei de dizer é a verdade. “

“Eu sinto há algum tempo que você não se sente tão gentil comigo como antes. Talvez seja minha imaginação, mas o pensamento persiste. Estou me perguntando se é possível que as histórias que Buck me trouxe também tenham chegado aos seus ouvidos. ”

“Tio, não sou muito orgulhoso, no que diz respeito a você, para pedir-lhe que perdoe qualquer coisa que eu tenha feito no passado e que possa ter machucado você. Não sei exatamente o que é, mas há algo entre nós que quero eliminar, se possível. Exatamente o que é esse ‘algo’, eu não sei, mas talvez você saiba.

“Se há algo que deve ser enterrado, vamos fazê-lo agora. Garanto-lhe, se precisar de alguma garantia, que ainda sou seu menino e sempre quero ser. Espero que ainda me queira. ”

 “Como sempre, Louie”

Você pode sentir a dor nas palavras de Louis. Você pode imaginar quanta coragem foi necessária para escrever a seu mentor e benfeitor. Lembre-se, este não era um adolescente escrevendo, mas um homem adulto, com todo o ego, orgulho e independência que era o objetivo de cada jovem de sua época. Às vezes, chamar atenção de uma pessoa mais velha pode criar uma fenda irreparável. Mas Louis sabia em seu coração que algo estava errado. Ele tinha que estender a mão.

Na parte dois desta postagem, iremos conhecer a resposta de Land a Louis e entender melhor o relacionamento das duas figuras mais importantes da Ordem DeMolay.

Comentário ( 1 )

  1. A melhor lição de todas – parte 2 – Soberanos Ideais
    […] da Ordem DeMolay, Frank S Land, e o peimeiro DeMolay, Louis Lower. Caso não tenha lido ainda, clique aqui e leia o início da […]

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Você pode usar esses HTMLs e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>