O que a Ordem DeMolay tem a ver com Pearl Harbor

O que a Ordem DeMolay tem a ver com Pearl Harbor

Seguindo com nossas investigações acerca do passado de nossa instituição, hoje nós vamos falar do congresso internacional de 1963 onde o 31º Grande Mestre Internacional tinha sob sua tutela mais de 2,350 capítulos e 12 países. O Lema da então gestão era “Se você tem que vendê-la, fale a eles”. Estamos nos preparando para a contagem regressiva dos 100 anos, aguardem que vem muita novidade por aí!

Há um fato bastante interessante sobre a 43º Sessão Anual do Supremo Conselho Internacional da Ordem DeMolay. Enquanto o Grande Mestre estava falando do seu relatório de viagens, ele explica sobre coisas interessantes que ocorreram durante as viagens e mediante a visita a Pearl Harbour, no estado do Havaí. Pra quem não conhece a história de Pearl Harbour, aqui vai um resumo rápido para contextualizar a história.

ataque a Pearl Harbor foi uma operação aeronaval de ataque à base norte-americana de Pearl Harbor, efetuada pela Marinha Imperial Japonesa na manhã de 7 de Dezembro de 1941.

O ataque em Pearl Harbor, na ilha de Oahu, Havaí, foi executado de surpresa contra a frota do Pacífico da Marinha dos Estados Unidos da América e as suas forças de defesa, o corpo aéreo do exército americano e a força aérea da Marinha.

O ataque danificou ou destruiu 21 navios e 347 aviões, matando cerca de 2403 pessoas e ferindo outras 1178. Contudo, os três porta-aviões da frota do Pacífico não se encontravam no porto, pelo que não foram danificados, tal como os depósitos de combustível e outras instalações.

O ataque marcou a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial e o início da Guerra do Pacífico, ficando conhecido como Bombardeamento de Pearl Harbor e Batalha de Pearl Harbor, embora o nome mais comum seja Ataque a Pearl Harbor ou simplesmente Pearl Harbor.

Ele, o Grande Mestre teve a oportunidade de conhecer o local na qual está afundado o navio USS Arizona com seus 1100 tripulantes ainda dentro dele, pendurado em um de seus compartimentos existe uma placa de bronze onde se lê “Battle Fleet Chapter of DeMolay” traduzido livremente mais ou menos como Capítulo DeMolay da frota de batalha, logo abaixo continha toda a lista os membros da Ordem DeMolay que compunha o capítulo quando da sua instalação.

O Grande Mestre Internacional foi até o Japão em uma de suas visitas e encontrou o Oficial Executivo daquele país que o esperava no aeroporto e entregou um bouquet de flores, em referência a recente visita a Pear Harbour, ambos passaram as vésperas de Natal juntos e em visita ao capítulo Tóquio houve uma apresentação dos graus DeMolay em Japonês.

Outra informação interessante é a criação da classe de membro honorário do Supremo Conselho Internacional, que serve para homenagear aqueles que não conseguem estar ativamente no SCI, mas que são indivíduos notórios para a mesma. O Grande Mestre menciona o exemplo do irmão juiz de direito William Steckler que foi oficial executivo e membro ativo do ISC, mas se aposentou das suas funções e por isso seria de boa ideia criar um status honorário para que ele e outros pudessem ser reconhecidos.

Somente como informação adicional, o DeMolay Internacional divide os seus membros por classes que são as seguintes:

Membros classe 1 serão nomeados Membros Ativos.

Membros classe 2 serão nomeados Membros Eméritos.

Membros classe 3 serão nomeados Membros Deputados (ou adjunto dando a idéia de que o mesmo está na eminência se assumir uma classe superior).

Membros classe 4 serão nomeados Membros Honorários.

Membros classe 5 serão nomeados Consultores.

Membros classe 6 serão nomeados DeMolays Ativos.

Membros classe 7 serão nomeados Senior DeMolays.

Membros classe 8 serão nomeados membros da Associação DeMolay Alumni.

Membros classe 9 serão nomeados membros da Ordem dos Escudeiros.

No brasil nós temos membros de classe 4, os irmãos Carlos Eduardo, Ederson Velasquez, Hamilton Sobrinho, Evanir Pereira, Guilherme Aguiar, membro de classe 3 o irmão Sandro Romero, e membro de classe 1, o irmão Luiz Kieling que além de ser um membro ativo do SCI é o representante da região 9 que compreende todos os países da América do Sul e o caribe, obtendo assento no conselho diretor (mais conhecido entre nossos membros pela nomenclatura inglesa Board of Directors) da corporação DeMolay International, Inc.

Com a adoção da classe de honorário, foi aprovado também, após enorme discussão, a clausula de que após duas faltas de um membro ativo classe 1, sem justificativa, na sessão anual do ISC, o retira dessa classe automaticamente e o coloca como classe de honorário.

Foi também nesse ano que foi instituída a Chave de Honra na cor branca que premia o tio, maçom, que indica dez DeMolays e uma estrela é creditada pra cada mais 10 indicados.

Hoje no brasil há uma contagem acirrada dos congressos estaduais em termos de números de congressistas, retirei de parte de um documento onde o Malvern Marks informa que o conclave do Texas teve em torno de 1635 DeMolays. No Texas havia 83 capítulos, mais de 8 mil membros e em um estado grande, em mais de 38 anos de Ordem DeMolay, a Grande Loja ainda não havia reconhecido o patrocínio a organização e nenhuma loja era a patrocinadora de um capítulo até o presente momento. Maçons se juntavam em grupos de todas as formas para serem os patrocinadores dos capítulos. Isso foi uma grande verdade onde somente depois de muito tempo é que houve um patrocínio oficial das Grandes Lojas a Ordem DeMolay.

Em se tratando da Ordem DeMolay a nível internacional Robert Parker fala sobre Alemanha e Austrália. A Austrália é mencionada, pois há relatos de que haviam problemas na questão de substituição de liderança, mas não esmiuça o que ocorre e informa que foi a primeira vez na história que eles mandaram um relatório sobre o país. No documento é escrito “Australasian Grand Council” talvez em referência a um grande conselho australiano e asiático. Eles falam que por ora, não há cobranças de taxas entres as instituições e nenhuma deve nada a outra, porém, nada impede que haja uma cobrança de taxa no futuro.

O Problema da Alemanha é relacionado, pois o DI tinha informações de que existiam somente 8 capítulos e quando o Grande Mestre foi fazer uma visita, descobriu que havia uma dúzia de capítulos a mais, a decisão do DI foi de nomear pessoas para cuidar de países individualmente e reportarem-se diretamente para a comissão e ao Grande Mestre.

Em discussão sobre como se deveria ocorrer a fundação de novos países, eles adotam uma política de que somente será concedido permissão para abrir novos países, se houver 7 patrocinadores maçônicos, isso porque na maioria das vezes os capítulos são abertos por americanos que viajam para esses países, muitos em missão militar, e ficam ativos lá por alguns anos e quando eles retornam, sem o apoio maçônico o capítulo fecha logo depois. Essa fórmula tem dado certo e por isso fora adotada.

É informado também, que a argentina fez contato e tentou levar a Ordem DeMolay para lá em 1963. Como eles ainda não entendiam como que funcionava a maçonaria no país, não levaram adiante o pedido até que fosse esclarecido, como aconteceu com as Bermudas, onde maçônicamente era ligada a Grande Loja da Escócia que não reconhecia a Ordem DeMolay.

Na Coreia há relatos de existência de um capítulo sendo patrocinado pelo Shriners do Japão já em Porto Rico havia Ordem DeMolay, porém não houve problemas mesmo o país tendo influência da Grande Loja da Escócia. A Espanha fez pedido para abrir a Ordem DeMolay, mas deveria seguir as mesmas exigências da comissão (suporte maçônico primeiro) e por não cumprir esses critérios, não foi possível a instalação naquele momento. Em Saigon (Vietnam), foi feito um pedido de abertura de capítulo através das forças armadas americanas, a comissão enfrentava isso como um capítulo temporário e ainda não havia decidido como proceder.

É dado a prerrogativa do Grande Mestre Internacional instalar até 6 Legião de Honra Honorárias com a aprovação do Oficial Executivo por ano, fora dos procedimentos padrões que prevê as regras e regulamentos do DeMolay Internacional.

Nesse ano foi criado o Monitor de Cerimonias Públicas pelo ISC através da comissão de Ritual e Liturgia. Nesse ano a comissão também aprova uma cláusula que diz que o ritual não pode ser mudado no intervalo de 5 anos. É feito uma expressa recomendação de que o único ritual a ser seguido será o do ISC e que ninguém sem a autoridade do ISC poderá fazer alterações. É falado a frase “O Ritual não pode mudar, por mudar, haverá mudança somente quando for estritamente necessário”.

Há uma extensa relação de mudanças do ritual que faz com que ele pareça como é hoje, talvez, e isso é uma interpretação minha, pela morte de Frank Land. Não relacionamos as mudanças aqui, pois fazem parte da intimidade do mesmo e não deve ser comentado no blog, mas informamos que as informações estão disponíveis em nossa palestra sobre a história de nossa ordem.

Comment ( 1 )

  1. Dad Land: Radio Star – Soberanos Ideais
    […] de Navios de Batalha implantados no Oceano Pacífico! (já falamos sobre isso no episódio sobre Pear Harbour aqui no […]

Leave a reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>