O primeiro relatório do sucessor de Frank S. Land

O primeiro relatório do sucessor de Frank S. Land

Nós não podemos falhar com a herança que Frank S. Land deixou para que cuidássemos.

Durante o congresso internacional da Ordem DeMolay de 1961, foi a vez do primeiro relatório do então substituto de Frank Sherman Land como secretário geral da Ordem DeMolay, Clarence H. Head, ser lido durante a sessão anual.

Existem relevantes informações a serem refletidas nesse relatório, que é extenso, mas muito esclarecedor do momento em que a Ordem DeMolay viva a época em que ele foi confeccionado. Faremos um comentário sobre o que foi escrito pelo Clarence, de acordo com a nossa pesquisa e de acordo com outras informações que seguiram com esse relatório.

O Relatório do secretário geral

A reunião do Supremo Conselho Internacional em Tucson no último ano e ainda referido por mim como “O Furacão Tucson” apesar da localização em terra daquela cidade, por causa do efeito redemoinho que causou em minha vida. Como todos vocês meu propósito em atender aquela reunião foi primariamente ajudar a selecionar um sucessor de valor para o nosso ex, lamentavelmente, fundador da Ordem DeMolay, Frank S. Land. Pouco sabia eu, que eu seria o escolhido para preencher esse posto, nos meus pensamentos imediatos do futuro estava minha aposentadoria em primeiro de maio depois de meus 42 anos na Companhia de Alumínio da América e um lazer no cruzeiro em um dos navios da companhia no caribe.

Então, no espaço de algumas horas, eu me encontrei eleito secretário geral da Ordem DeMolay e me deparei com a mudança de Pittsburgh para Kansas City praticamente da noite para o dia. No processo eu tinha muitas conexões e atividades em Pittsburgh que acumulavam 30 anos em que vivi lá. Acreditem vocês em mim, foi como limpar o “guarda roupas da sala”, pois muitas associações podem ser acumuladas em um tempo como 30 anos.

Sua fé e confiança em mim para carregar as tradições de Frank S. Land certamente me tocaram profundamente. Enquanto minha esposa ainda não me perdoou por aceitar essa posição, eu não tive outra opção pela qual eu sempre terei uma inabalável fé em fazer qualquer coisa que seja o melhor para a Ordem DeMolay.

Embora eu tivesse oficialmente aposentado da Alcoa em primeiro de maio e na mesma semana eu coloquei os pés em um avião para Kansas City, Missouri, para ser recebido na cidade “dos braços abertos”. Nunca vi tanta hospitalidade e um bem-vindo mais cordial. A publicidade recebida foi tanta que até os motoristas de taxi sabiam quem eu era. Tudo isso foi um tributo a Frank S. Land, pois toda a cidade estava ansiosa “para dar uma espiada” no homem que tentava substituí-lo.

Deixem-me deixar um ponto bem claro – ninguém, eu repito, ninguém nunca poderá tomar o lugar de Frank Land. Mas uma pessoa pode pegar os pedaços de onde ele parou e tentar construir uma incrível herança e uma firme fundação da qual ele deixou para nós e para milhões de jovens no mundo.

Frank Land foi “um artista” com uma profunda e inabalável religiosa fé da qual ele praticava em todos os atos. Ele realmente era uma pessoa única. Enquanto eu ganhava um conhecimento íntimo dele como Grão Mestre de 1958-59, ainda era necessário conversar com pessoas, ler correspondências e juntar pedaços de informações para um conhecimento material do trabalho do nosso ex Secretário Geral.

Esse último trabalho não tem sido fácil. Todos vocês sabem que existiam muitas diferenças em Tucson e muitos problemas cruciais que confrontavam o escritório do Supremo Conselho no último ano. Eu fico feliz em reportar que com a ajuda e aconselhamento do Grande Mestre, as comissões executiva e de auditoria e o meu staff, muitos desses problemas tem sido resolvido.

Eu acredito muito em relações publicas e tempo apropriado. Em verdade, essas duas funções estão envolvidas em 90% dos serviços do secretário geral.

Nenhuma organização pode perder um homem da estatura de Frank S. Land e não passar por um período de reajuste. A DeMolay não foi nenhuma exceção. Com o reajuste conectado com a morte de nosso fundador e a inauguração do Plano de Membro Vitalício agora ficando para trás, nós estamos em uma posição de prosseguir “com força total a frente”.

Era natural que com os ajustes, já mencionados, acontecendo, o ano DeMolay de 1959-60 não fosse um ano de quebra de recorde em todos os pontos. Nosso total de membros ativos foi de 136.247 com um total de novos iniciados no ano de 33.352.

Nós alcançamos o maior número de todos os tempos de 2.181 capítulos (excluindo Austrália) operando em 12 países. É um prazer particular chamar atenção para o crescimento de capítulos e algumas jurisdições fora dos EUA.

O número de círculos de mães servindo aos capítulos fez outro crescimento saudável em um novo recorde de 1.674. Assim como o número de DeMolays qualificáveis para o prêmio de Representante DeMolay que chegou ao topo com a marca de mil, total de 1.081 para o ano finalizando em 30 de setembro de 1960.

Enquanto ainda existem seis Grandes Lojas que não deram permissão explícita para que as lojas subordinadas patrocinem capítulos DeMolays, informações que chegam até nós predizem que esse número será reduzido esse ano. Em verdade, nada o suficiente pode ser dito sobre o tremendo apoio maçônico que a DeMolay tem recebido. Sem os maçons servindo como consultores nos capítulos, a DeMolay rapidamente acabaria. A Graciosa contribuição financeira de várias Grandes Lojas, Rito de York, Rito Escocês e dos Shriners tem sido recebidas com profunda apreciação.

Nossa gratidão é estendida ao Conselho Imperial da Antiga Ordem Arábica dos Nobres Místicos Shrine para a América do Norte pela contínua generosidade em patrocinar o
Café da Manhã anual de Frank S. Land realizado durante a conferencia de Grandes Mestres em Washington D. C.

Com o programa de Membro Vitalício firmemente estabelecido na maioria das jurisdições e a confusão em relação ao cartão de plástico do membro vitalício sendo rapidamente esclarecido, é possível acreditar que a Ordem irá se reencontrar novamente e baterá novos recordes de iniciações ainda nesse ano DeMolay. A Adição da subscrição anual do DeMolay Cordon para cada inciático nos trás muito conhecimento e mais interesse por parte dos membros DeMolays. O Pequeno custo envolvido irá nos trazer um retorno positivo.

Nunca podemos deixar passar a oportunidade de apreciar e dar um “parabéns” aos milhares de líderes DeMolay – dos oficiais executivos encarregados pelas jurisdições aos novos consultores nos novos capítulos – pelo trabalho excepcional que eles estão fazendo em administrar o programa DeMolay. São eles que devem se reunir e resolver os problemas que confrontam os capítulos dia a dia. Meu chapéu está certamente “tirado” para eles, eu somente posso dizer “Deus te abençoe e que continue com o bom trabalho”.

Como vocês tem notado nos anúncios prévios, o tamanho do staff do Supremo Conselho tem sido reduzido no ano passado e o “aperto no cinto” tem sido necessário em razão da economia. Enquanto o departamento de atividades parece como um “enteado” nos últimos anos com muitos diretores diferentes, eu acredito que uma solução cabível foi feita com a nomeação em primeiro de dezembro de Roy E. Fitzgerald para lidar com o programa de atividades.

Em oito de novembro, o primeiro aniversário da morte de Frank S. Land, um memorial foi realizado no túmulo dele em Kansas City, Missouri. Aproximadamente 100 pessoas atenderam a cerimônia na qual foi conduzida pelo Reverendo Herbert E. Duncan, Grande Capelão do Supremo Conselho Internacional. Agindo como mestres de cerimonias estiveram sete membros do capítulo mãe com capas, representando as 7 virtudes cardiais da DeMolay. Um doador anônimo estabeleceu uma doação permanente com o Kansas City Bank para providenciar a transferência todo dia 8 de novembro. Nós estamos em dívida com esse amigo da Ordem DeMolay que deseja perpetuar a memória de Frank S. Land.

Com o insight sobre os números da Ordem DeMolay no ano passado, deixe-me fazer as seguintes recomendações sobre o futuro da Ordem.

1 – Vamos fazer todo esforço possível para estabelecer um memorial a altura para o nosso fundador Frank S. Land, não deixando que a nossa memória dele se apague com o passar dos anos.

2 – Deixe-nos redobrar os esforços de comunicação e educação para que melhor informemos os membros e líderes da Ordem DeMolay. Uma forma efetiva de fazer isso seria aumentar o número da tiragem do DeMolay Cordon.

3 – Não nos deixe nunca esquecer que os novos membros são o sangue da DeMolay e que não podemos colocar mais ênfase em melhores esforços para atingir esses membros.

4 – Todo esforço deve ser feito nas reuniões para fazer qualquer e todas as mudanças necessárias na Constituição do Supremo Conselho, Estatutos e regulamentos capitulares para que os negócios dos capítulos ocorram da forma com que desejamos.

5 – A sua atenção é chamada devido à falta de adesão aos prazos estabelecidos para os relatórios variados que devem chegar ao Supremo Conselho.  O resultado de relatórios atrasados é a criação de trabalho extra para o staff e a não tabulação dos registros e relatórios, que no final funcionam em detrimento da Ordem. Cada prazo deve ser cumprido com planejamento antecipado.

6 – Faça com que cada um de nós membros ativos do supremo conselho examine profundamente nossos próprios esforços em nome da DeMolay. Nós estamos trabalhando de mãos dadas como um time enquanto o mundo necessita do melhor de nossos jovens? Nós estamos levando a sério os nossos trabalhos e olhando além dos problemas jurisdicionais e regionais para o que é, no final, melhor para a Ordem? Como eu disse no Cordon de fevereiro – março, “Não é sobre o que a Ordem DeMolay pode fazer por você, mas o que você pode fazer para a DeMolay”.

Um merecedor “tapa nas costas” é estendido a comissão de auditoria, composta pelo Dr. Claud F. Young, George Saunders, Harry Bundy, Malvern Marks, Stan Garrity and Albert J. McNally e para a comissão Executiva, feita pelo Dr. Claud F. Young, Albert J. McNally, Dr. Gordon F. Grant, J. Chris Nungesser, Edward G. Schultz, William A. Hensley, George M. Saunders, Theodore H. Little, William P. Jacobs, Jr., Walter G. Seely, Arthur O. Olson, Frank J. Kester, Harold Schafer, H. Malvern Marks, Joseph S. Lewis, homer E. Rathbun, G. Wilbur Bell, Stephen Dimond, Robert W. Markham, Jr., Donald B. Carter, J. W. Nutt, Samuel S. Steinhauser, William E. Schooley, Dr. Ivan H. Northfield, Ernest F. Schaefer, Chandler C. Cohagen, Harry W. Bundy, Stanley Garrity e Willard P. Lombard pela genuína sinceridade nos esforços da parte deles em aprender mais sobre as operações e condições da DeMolay. As sugestões deles para o melhoramento e a tenacidade deles pela causa em “se manter na linha” durante o período de reajuste são verdadeiramente apreciados e merecem o mais alto apreço de todos os associados com o movimento.

Nós não devemos ser reticentes sobre a mudança e o avanço da DeMolay. Com os eventos do mundo acontecendo em um passo mais rápido a cada sucessivo dia, nós devemos manter nossas posições como uma avançada organização para jovens, esforçando-se continuamente para melhorar os métodos e programas. Nós não podemos falhar com a herança que Frank S. Land deixou para que cuidássemos.

 

 

Algumas coisas podem ser notadas com esse relatório, a primeira delas, que chamou nossa atenção, foi sobre a taxa vitalícia de filiação, que perdura até hoje no Supremo Conselho Internacional. Esse tema aparece algumas vezes em discussões entre os anos de 1959 e 1961, na verdade, acredito que a discussão foi ferrenha até mesmo anos antes da morte de Land, que ao que me parece era opositor dessa prática (mas não pude achar até agora nenhum relato de sua posição). O interessante é que todos comentam em seus relatórios que esse item foi bastante comemorado e não bastou a morte de Land para que fosse aprovado a medida. De fato, a medida acaba com uma estatística muito importante, a de evasão da Ordem DeMolay, enquanto a evasão pode ser comprovada, também, pela quantidade de membros pagantes no ano menos a quantidade de membros que deixaram de pagar, o número de membros inativos por falta de pagamento diminuiria aumentando ou mantendo o número de ativos, e iniciar na organização pagando uma taxa única se fazia interessante aos pretensos candidatos.

A defesa da medida informa que era na verdade uma adaptação devido a três fatores: 1 – A Morte de Frank Land, 2 – A própria necessidade de implantação desse nova forma de taxa e 3 – A instável situação econômica em variados setores da Ordem DeMolay.

A segunda coisa que chama atenção no relatório, é o apoio das Grandes Lojas, como mostrado em outros posts, a Ordem DeMolay chegou a iniciar em uma só iniciação, mais de mil candidatos, mas ainda em 1961, não havia um apoio global da maçonaria, ao menos oficialmente declarado pelas Grandes Lojas, a organização. Ainda restavam 6 Grandes Lojas a declararem apoio por escrito a instituição, como a sistemática DeMolay é realizado através das Grandes Lojas, o que não mudou até hoje, isso é um passo determinante para expansão e funcionamento da Ordem DeMolay.

Comment ( 1 )

  1. ReplyKaio
    Parabenizo pela disponibilização de tão importantes informações, as quais devem ser perpetuadas e mais amplamente divulgadas, o que é feito com maestria pelo criadores do blog. Tenho algumas dúvidas: 1) Quais eram as Grandes Lojas que não apoiavam a Ordem e o porque? 2) Ele menciona uma confusão com o cartão de plástico vitalício, que confusão foi essa? 3) O que é o DeMolay Cordon?

Leave a reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>